Chegou a hora da gente conversar sobre alguns temas sérios e relevantes para todos: saúde mental, depressão e suicídio. Esses três fatores são responsáveis por fazer com que uma vida seja perdida a cada 40 segundos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na prática, esse dado representa incontáveis pessoas que vão embora por problemas que, apesar de complexos, poderiam ser resolvidos e garantir que a vida fosse preservada. Quer saber mais? Então bora se informar para, juntos, mudarmos essa realidade!

Saiba mais sobre o Setembro Amarelo

Segundo relatório da OMS, o suicídio é a segunda maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos (2016). Você já ouviu falar sobre o Setembro Amarelo?

A data foi escolhida por amigos e familiares do jovem estadunidense Mike Emme, que se suicidou com apenas 17 anos em setembro de 1994. Eles deram início à campanha de prevenção ao suicídio que hoje é mundial. A cor amarela foi escolhida por Mike ao reformar seu primeiro carro e, mais tarde, se tornou um símbolo dessa luta.

Já em 2003, a OMS definiu o dia 10 de setembro como Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Vale lembrar que, apesar de setembro ser um mês destinado à saúde mental e emocional, é importante que ela seja discutida e reafirmada durante todo o ano. Por isso, aqui vão algumas orientações para ajudar ou pedir ajuda:

Como identificar que alguém próximo precisa de ajuda?

Diagnósticos de depressão, ansiedade, transtorno de personalidade ou outras doenças mentais só podem ser dados por profissionais. Apesar disso, vale a pena ficar atento(a) a alguns sinais para descobrir se alguém próximo pode estar precisando de ajuda:
👉 Ficar constantemente isolado(a) e se recusar a ter qualquer tipo de contato com outras pessoas;
👉 Falta de interesse por atividades que gostava anteriormente;
👉 Relacionamento desequilibrado com alimentação, como compulsão alimentar ou recusa a se alimentar;
👉 Rotina de sono irregular, como dormir muitas horas, especialmente durante o dia, ou casos de insônia de noite;
👉 Comportamento agressivo manifestado em ações verbais ou corporais.

Antes de julgar essas alterações de atitude, avalie se elas não significam um pedido de ajuda mascarado. Esteja atento(a) em como a pessoa se expressa, seja pessoalmente ou nas redes sociais. Depois, se coloque à disposição para ajudá-la e também indique ajuda especializada.

Se, por outro lado, você se identificou com os tópicos descritos, lembre-se que não está sozinho(a)! Muitas pessoas lidam com esses problemas diariamente e várias outras passaram a lidar depois das mudanças que vivemos nos últimos tempos. A pandemia, inclusive, foi uma grande responsável pelo aumento de casos de depressão e ansiedade.

Procure apoio da família e amigos e, claro, de profissionais especializados. 💛

O que não fazer

Tão importante quanto oferecer ajuda, é saber o que não se deve fazer ou dizer para quem se enquadra em uma situação de depressão ou ansiedade:

  1. Não compare a situação da pessoa com a de outras
    Saber que tem alguém “pior” não ajuda ninguém a se sentir melhor. Os problemas são únicos e particulares. Só quem passa por eles sabe a sua dimensão.
  2. Não culpe a pessoa pela sua situação
    Estar em uma condição depressiva não é culpa de quem passa por ela e não está relacionada com qualquer tipo de fraqueza ou falta de fé, como muitos pensam. Ajudar significa acolher e não julgar.
  3. Não proponha “pensamentos positivos”
    Qualquer transtorno psicológico depende de um longo e complexo caminho para ser resolvido, que pode envolver profissionais e medicação, por exemplo. Por isso, não seja simplista: não é um pensamento positivo ou uma única atitude que vai mudar esse quadro de uma hora para a outra.

Não tenha medo de pedir ajuda

Se mostrar frágil é um ato de muita coragem que pode, literalmente, salvar vidas. Sabia que tem muita gente disposta a ajudar e várias organizações gratuitas? Confira alguns:

O Centro de Valorização da Vida (CVV) é uma instituição criada para oferecer apoio emocional e realizar a prevenção do suicídio. Em caso de qualquer pensamento envolvendo suicídio ou angústia, basta pegar o telefone e ligar para 188. Se preferir, também pode usar o chat virtual.

Aqui na Católica SC, o Serviço de Orientação Universitária (SOU), está disponível para ajudar todos os alunos em qualquer dificuldade psicológica, social e espiritual. Os atendimentos são feitos em um espaço próprio que garante toda a privacidade e podem ser agendados pelo e-mail sou@catolicasc.org.br.

Família e amigos também podem ajudar. Não tenha medo de falar com eles em qualquer momento que precisar. Se quem estiver por perto não parecer a melhor opção, procure lembrar de professores, colegas ou conhecidos que pode confiar.

Anotou tudo? Salve esse post para acessar sempre que precisar. Também ajude a compartilhar essas informações super importantes nas suas redes sociais para que mais pessoas possam receber ajuda! 😊💛